A diretoria do Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe (Sinpol/SE) recebeu nesta quarta-feira, 31, a visita de representantes da Associação Militar Única e do Sindicato dos Agentes Penitenciários e Servidores da Sejuc de Sergipe (Sindipen), com o objetivo de iniciar um diálogo entre as referidas entidades que representam interesses de profissionais que integram a pasta da Segurança Pública no estado.

“Cada entidade conta com suas lutas específicas junto ao Governo de Sergipe, entretanto também temos pontos em comum, como o risco de vida inerente às atividades realizadas diariamente por policiais civis, policiais militares e agentes penitenciários. Estamos sem pagamento da reposição geral anual, que é um direito nosso previsto constitucionalmente; e sem perspectiva de negociação referente a reajuste salarial. Além disso, esses profissionais estão mensalmente passando por uma instabilidade nos recebimentos das indenizações pagas pelos serviços extraordinários, visto que o Governo decidiu descontar imposto de renda no pagamento das Retaes, gerando uma insatisfação geral e um desprestígio dos gestores das pastas que garantiram que não haveria esses descontos nas indenizações. Esse diálogo inicial foi importante para conhecer as reivindicações de cada categoria, apontando pontos divergentes e lutas similares”, destacou Adriano Bandeira, presidente do Sinpol/SE.

A reunião contou também com as presenças de Robenilde Gonçalves, vice-presidente do Sinpol/SE; Ênio Nascimento, diretor Jurídico do Sinpol/SE; Luciano Melo, diretor Financeiro do Sinpol/SE; Wesley Alves de Souza, presidente do Sindpen; Willanês dos Santos, presidente da Única; Thiago André de Lima, diretor Jurídico da Única; acompanhados dos assessores jurídicos Felipe Mendes Ribeiro Chaves e Marcus Luiz de Oliveira.